sábado, 25 de abril de 2009

Cientistas & Matemáticos

Durante esta semana vários foram os temas trabalhados pelos alunos da Escolinha dos Lápis.
Foram aulas muito divertidas em que estes puderam descobrir que, ser cientista e descobrir coisas novas nem sempre é um trabalho fácil, no entanto, é muito compensador quando no final de um dia de trabalho nos apercebemos das coisas fantásticas que aprendemos.
Os meninos da Escolinha dos Lápis realizaram um pequeno artigo e desenhos que falam sobre as aprendizagens realizadas nesta semana.
Ver imagem em tamanho grandeO que aprendemos?
Aprendemos que os ímanes têm dois pólos: o pólo norte e o pólo sul. Quando tentamos juntar pólos iguais, estes repelem-se; quando tentamos juntar pólos opostos, estes atraem-se.
Existem vários tipos de ímanes. Alguns têm forma de ferradura, outros são cilíndricos, outros ainda podem ser compridos, redondos, grandes, pequenos ou médios. No entanto, todos eles têm forças de atracção diferentes e nem sempre o íman mais “forte” é o maior. Afinal, “tamanho não é documento”.
Aprendemos, também, que a bússola é constituída pelos pontos cardeais norte, sul, este e oeste e que, a sua agulha aponta sempre para norte.
Durante uma das nossas aulas construímos uma bússola com uma agulha, esferovite e um íman. Fantástico não é!?
Para isso, foi necessário magnetizar a agulha com o íman, colocar esta em cima do esferovite e por fim, colocá-lo na água. O esferovite rodou pois a agulha começou a exercer uma força que a puxava para norte.
Quando nos perdemos, a bússola é muito importante para que consigamos encontrar o caminho de volta, mas, não é o único meio de orientação. Podemos-nos também guiar pelas estrelas durante a noite e pelo sol durante o dia.
Durante estes dias tínhamos, ainda, a missão de ajudar os pequenos cientistas a provar ao feiticeiro (história dos Pequenos Cientistas) que era possível duas figuras diferentes terem a mesma área, por isso, brincámos com os tangrans e conseguimos descobrir na prática, a forma de o fazer.
Para descobrimos a área das figuras precisámos de medir as mesmas utilizando a unidade de medida adequada, neste caso, o triângulo mais pequeno do tangram. Depois foi muito fácil, bastou ver se em ambas as figuras “cabia” o mesmo número de triângulos pequenos.
Para além do feiticeiro malvado os pequenos cientistas tinham outro problema muito grave, a casa da gatinha Belzebu que ficou completamente destruída por um raio, por isso, construímos casinhas através de dobragens e com quadradinhos coloridos para que ela lá pudesse viver.
No último dia conseguimos resolver o grande enigma mistério, a música da floresta verde. É uma canção muito engraçada e de que gostámos muito de cantar.
Texto colectivo

Por fim, recebemos um diploma de pequenos cientistas!” EB1 Branca de Leiria, 22 de Abril de 2009

2 comentários:

Curiosos à Vista! disse...

que experiências tão interessantes, adoráqmos!!!
beijinhosssssssss

Anabela Santos disse...

Bem mereçeram os vossos diplomas, fartaram-se de trabalhar!
Vamos lá ver se sou capaz de fazer algumas destas experiências com os meninos do BLOGando na Escola.
Antes de começarmos a fazer as experiências vamos fazer-vos uma visita e ler em conjunto o vosso texto dos ímanes. Não acham que é um bom ponto de partida?
Beijinhos e continuação de bom trabalho.
Prof. Anabela